Hezbollah lança grande ataque contra Israel, estrondos sônicos sacodem Beirute

O Hezbollah libanês lançou um grande ataque com foguetes e drones contra Israel na quinta-feira e ameaçou atingir novos alvos em retaliação pela morte de um alto comandante, na mais recente onda de violência no conflito que se agrava cada vez mais na fronteira.


Por Laila Bassam e Maayan Lubell | Reuters

BEIRUTE/JERUSALÉM - Desencadeado pela guerra de Gaza, o conflito entre o Hezbollah, apoiado pelo Irã, e Israel vem se intensificando gradualmente há meses, aumentando os temores de uma guerra em grande escala, que ambos os lados indicaram que querem evitar e diplomatas estão trabalhando para evitar.

Foguetes lançados do Líbano para Israel pela fronteira são interceptados, em meio às hostilidades transfronteiriças em curso entre o Hezbollah e as forças israelenses, em Israel, perto da fronteira com o Líbano, em 3 de julho de 2024. REUTERS/Ayal Margolin/File Photo

À medida que a violência mais recente se desenrolava em áreas na fronteira ou perto dela - de acordo com o padrão dos últimos nove meses -, o som de estrondos sônicos abalou os nervos pelo segundo dia consecutivo em Beirute e outras partes do Líbano.

Jatos israelenses romperam a barreira do som sobre várias áreas do país, informou a Agência Nacional de Notícias do Líbano.

O Hizbollah disse que lançou mais de 200 foguetes e um enxame de drones contra 10 locais militares israelenses em retaliação à morte do comandante do Hezbollah, Mohammed Nasser, no sul do país, na quarta-feira. Nasser é um dos comandantes mais graduados do Hezbollah a ser morto por Israel durante o conflito.

O exército israelense disse que cerca de "200 projéteis e mais de 20 alvos aéreos suspeitos foram identificados cruzando do Líbano para o território israelense", vários dos quais foram interceptados por defesas aéreas e caças israelenses.

O serviço de ambulâncias de Israel disse que nenhuma vítima foi relatada. Os militares israelenses disseram que alguns dos drones e estilhaços interceptadores provocaram incêndios.

A força aérea israelense "atingiu estruturas militares do Hezbollah nas áreas de Ramyeh e Houla", disse, referindo-se a duas aldeias no sul do Líbano.

O alto funcionário do Hezbollah, Hashem Safieddine, falando em um evento em Beirute em homenagem a Nasser, indicou que seu grupo ampliaria sua mirada.

"A série de respostas continua em sucessão, e esta série continuará a visar novos locais que o inimigo não imaginava que seriam atingidos", disse Safieddine.

IMPULSO DIPLOMÁTICO

Os Estados Unidos têm liderado esforços diplomáticos para desescalar os combates. O Hezbollah disse que não vai cessar fogo enquanto Israel continuar sua ofensiva na Faixa de Gaza.

As hostilidades infligiram um pesado pedágio em ambos os lados da fronteira, forçando dezenas de milhares de pessoas a fugir de suas casas.

Amos Hochstein, um alto funcionário dos EUA no centro da diplomacia, discutiu os esforços franceses e americanos para restaurar a calma em reuniões com autoridades francesas na quarta-feira, disse um funcionário da Casa Branca.

"A França e os Estados Unidos compartilham o objetivo de resolver o atual conflito através da Linha Azul por meios diplomáticos, permitindo que civis israelenses e libaneses voltem para casa com garantias de segurança de longo prazo", disse o funcionário, referindo-se à linha de demarcação entre os dois vizinhos.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse na quarta-feira que as forças israelenses estão atacando o Hezbollah "com muita força todos os dias" e estarão prontas para tomar qualquer ação necessária contra o grupo, embora a preferência seja chegar a um acordo negociado.

O Hezbollah também lançou foguetes contra Israel na quarta-feira em retaliação à morte de Nasser.

O Hezbollah começou a disparar contra alvos israelenses ao longo da fronteira com o Líbano depois que seu aliado palestino Hamas lançou um ataque contra Israel em 7 de outubro, declarando seu apoio aos palestinos.

Os ataques israelenses no Líbano mataram mais de 300 combatentes do Hezbollah e cerca de 90 civis, de acordo com dados da Reuters. Israel diz que o fogo do Líbano matou 18 soldados e 10 civis.

Reportagem de Laila Bassam e Maya Gebeily em Beirute; Maayan Lubell em Jerusalém, Jana Choukeir e Clauda Tanios em Dubai

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem