Expansões da Otan e arrogância do Ocidente ameaçam paz na Ásia

A maioria dos países asiáticos consegue administrar atritos com a China e não quer ver uma presença da Otan para piorar a segurança e a prosperidade em sua vizinhança


Alex Lo | South China Morning Post em Toronto

Alguém disse que a história não se repete, mas rima. Certamente há muita rima no momento.

REUTERS/Yves Herman

O acordo de paz feito pelos aliados no Congresso de Viena com a França após a queda de Napoleão foi relativamente brando e clarividente. Cerca de um século depois, os homens amargos, mas arrogantes, de Versalhes pensaram que poderiam fazer muito melhor e fizeram uma paz altamente punitiva, o que abriu caminho direto para o pesadelo nazista e a segunda guerra mundial.

Depois de um segundo cataclismo, alguns sábios em Washington redescobriram os significados de leniência e integração, especialmente através do famoso Plano Marshall na Europa Ocidental.

Essa lição não foi completamente esquecida quando os Estados Unidos venceram outro confronto global no final da Guerra Fria e com o colapso da União Soviética.

Enquanto o Muro de Berlim desmoronava, os líderes europeus e americanos que negociaram com Mikhail Gorbachev sobre a reunificação alemã ainda estavam atentos às lições pacíficas no final da Segunda Guerra Mundial. Foi por isso que eles prometeram nenhuma expansão da Otan para o leste. O fato de não terem assinado um tratado para selar essa promessa não significava que eles não estavam cientes do perigo de uma futura vingança russa – eles estavam muito conscientes.

E, no entanto, gradualmente, seus sucessores arrogantes jogaram a cautela ao vento, perseguiram a hegemonia com abandono e humilharam a Rússia uma e outra vez. O ressentimento nietzschiano e o revanchismo de alguém como Vladimir Putin foram há muito previstos e advertidos. Sem desculpar a invasão ilegal da Rússia e a anexação de partes da Ucrânia, as ações de Moscou não foram imprevisíveis.

Estamos a viver com as terríveis consequências que agora ameaçam uma terceira guerra mundial.

Otan enfrenta Rússia e China

Jens Stoltenberg, o chefe cessante da NATO, fez o seu melhor contra a China e está a reformar-se. Confortos mundanos o aguardam e ele não terá que conviver com as prováveis consequências desastrosas das expansões implacáveis da Otan pelos países bálticos e pelo Leste Europeu, que agora também ameaçam a Ásia.

Antes da cúpula do 75º aniversário da aliança em Washington nesta semana, Stoltenberg arrastou novamente a China para o conflito da Ucrânia, um desastre totalmente europeu e americano pelo qual Pequim tem responsabilidade zero.

Ele escreveu no Foreign Affairs: "[Putin] está cada vez mais alinhado com outras potências autoritárias, incluindo a China, que desejam ver os Estados Unidos fracassarem, a Europa fraturar e a Otan vacilar. Isso mostra que, no mundo de hoje, a segurança não é uma questão regional, mas global. A segurança da Europa afeta a Ásia, e a segurança da Ásia afeta a Europa.

"A Otan também se preparou melhor para a competição duradoura com a China, inclusive reduzindo dependências prejudiciais e aumentando a proteção de sua infraestrutura crítica, materiais estratégicos e cadeias de suprimentos."

Stoltenberg dedicou muito tempo no cargo a pintar a China como inimiga do Ocidente, uma lógica fabricada que ele espera que justifique um novo papel da Otan na Ásia. A ameaça da China é apenas a desculpa. A verdadeira agenda é que Washington está fazendo com que seus aliados militares – alguns dos quais têm se mostrado bastante dispostos, mesmo que contra seus próprios interesses nacionais – paguem por sua vacilante política de contenção contra a China.

Esse nunca foi um papel para o qual a Otan foi criada, mas o cinismo e a arrogância são de tirar o fôlego e estão novamente arriscando uma guerra global.

Sem dúvida, Seul e Tóquio têm dito a Bruxelas e Washington o que querem ouvir. Ambos participam da cúpula da Otan como países não membros. O resto da Ásia não quer ver a NATO na sua vizinhança, muito menos tornar-se parceira.

Prabowo Subianto, presidente eleito da Indonésia, disse em junho que seu país "continuaria nossa forte cooperação com a China".

Durante sua visita à Austrália em março, o primeiro-ministro da Malásia, Anwar Ibrahim, disse: "Acredito que a Malásia e a Austrália têm o dever de tentar ao máximo encorajar os Estados Unidos, a China e outros atores importantes na Ásia-Pacífico a se comportarem de uma maneira que seja conducente ao aprimoramento da cooperação regional e da integração econômica". acrescentando que a hostilidade estrangeira em relação à ascensão da China é uma "tentativa de negar seu lugar legítimo na história".

"Neste momento, a China parece ser o principal investidor e comerciante na Malásia", acrescentou Anwar.

O ministro indiano das Relações Exteriores, Subrahmanyam Jaishankar, certamente não amigo de Pequim, disse que a Índia nunca teve uma "mentalidade da Otan".

Eles podem ter seus próprios conflitos fronteiriços, e disputas territoriais e marítimas, mas nenhum que não possa ser gerenciado e contido entre si e com a China. Eles não veem a China como uma ameaça existencial, mas como uma oportunidade econômica e comercial. Mas unir a China com o Ocidente certamente a transformará em uma luta militar existencial. Eles certamente não querem mais barris de pólvora da Otan para ameaçar a paz, a estabilidade e a prosperidade em sua região.

Até mesmo as Filipinas e a Austrália estão agora pensando em serem transformadas em linhas de frente para a contenção de Washington contra a China.

A China não é a ameaça. Às vezes pode ser rude, mas não é o bicho-papão que muitos no Ocidente fizeram questão de ser. Stoltenberg, seu tipo em Bruxelas e seus pagadores em Washington são as verdadeiras ameaças à Ásia.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem